Hoje em dia fala-se muito em cervejas Puro Malte e isso se reflete nas prateleiras dos mercados. É muito comum encontrar uma infinidade de novas cervejas nas prateleiras com o Puro Malte em destaque em seus rótulos.

Para quem não é especialista em cervejas, esse assunto gera algumas dúvidas, como: o que é cerveja Puro Malte? Qual a diferença entre cerveja Puro Malte e cerveja com cereais não maltados (mainstream)? A Puro Malte é melhor?

Para esclarecer estas dúvidas, entrevistamos o Beer Sommelier Edson Carvalho, do site Viajante Cervejeiro.

Confira:

Do que é feita a cerveja?

ingredientes da cervejaA cerveja é feita através da fermentação de malte, água e lúpulo. Esses são os principais ingredientes descritos na Reinheitsgebot – a Lei da Pureza da Cerveja criada em 1516. Algumas fábricas, como as alemãs e belgas seguem este decreto até hoje.

Atualmente também existem algumas receitas que utilizam outros cereais, como o trigo e o arroz (cereais não maltados) em suas cervejas.

O que é malte e cereais não maltados?

Malte é o grão de cevada, ou outro cereal que passou por um processo de malteação. A malteação é o procedimento em que se modifica quimicamente esses grãos para que sejam utilizados na hora da produção da cerveja.

Primeiro, aumenta a umidade dos grãos com água e os mantém, de forma controlada, até que comecem a germinar. Após isso, eles são secos e passam por diferentes níveis de torrefação, criando assim uma variedade grande de tipos de maltes.

Nesse processo as proteínas presentes nos grãos são degradadas e algumas enzimas são ativadas. E, essas enzimas na hora da produção da cerveja, irão modificar os amidos presentes no malte e quebrá-los em açúcares, que servirão de alimentos para as leveduras na hora da fermentação.

Os cereais não maltados são os grãos que não passam por esse processo. Por exemplo, os mais conhecidos e utilizados na cerveja são o arroz e o milho.

Qual é a função do malte e cereais não maltados?

O malte tem inúmeras funções, dentre elas, trazer cor e aromas para a cerveja. Sobretudo, são os maltes que trazem os açúcares que serão consumidos pelas leveduras gerando álcool e CO2 (gás carbônico). Quanto mais malte, mais açúcar e consequentemente mais álcool e corpo no produto final. O corpo está relacionado com a textura e com densidade da cerveja.

Já os cereais não maltados, também podem ter inúmeras funções a depender da receita e dos objetivos do mestre cervejeiro. No caso das cervejas mainstream, normalmente trazem leveza e menos intensidade de aromas e sabores, deixando as cervejas mais neutras e com menos personalidade. Não que isso seja ruim, trata-se apenas de objetivos em relação ao produto final desejado.

As clássicas Witbiers belgas usam trigo não maltado na receita, conferindo mais leveza do que uma cerveja de trigo alemã, por exemplo.

Por que adicionam cereais não maltados na cerveja?

Por dois motivos principais: custo e aceitação. Como dito anteriormente, esses cereais não maltados como milho e arroz deixam as cervejas com menos aromas e sabores, o que facilita na hora da aceitação da maior parte das pessoas. 

Quanto mais aromas e sabores são impressos em uma cerveja, menor será o público para ela. Assim, as cervejas mais leves e com menos personalidade são feitas para agradar o maior número de pessoas possível.

Outro fator é o custo. Esses cereais são normalmente mais baratos, como resultado, isso reflete no departamento financeiro da cervejaria.

Mas essas questões não fazem dos cereais não maltados um vilão, pelo contrário, são apenas produtos diferentes. Existem muitas cervejarias artesanais que usam adjuntos para outros fins, tudo depende do seu objetivo e da receita que está criando.

E quanto ao preço?

Se estivermos falando das cervejas mainstream, é justamente pelo motivo que citei anteriormente. Os cereais não maltados são mais baratos.

Hoje a legislação brasileira permite o uso de 45% de cereais não maltados, também conhecidos na produção da cerveja, como adjuntos cervejeiros. E, portanto, a grande indústria se vale disso usando a quantidade máxima desses cereais, o que as tornam muito mais baratas. 

O malte de cevada e o de trigo são mais caros, ainda mais quando partimos para os maltes especiais usados em praticamente todas as cervejas ditas como artesanais.

Qual a diferença da cerveja Puro Malte e da mainstream ?

Nesse sentido, se estamos comparando cervejas puro malte com as cervejas mainstream, é possível dizer que as puro malte, normalmente, são mais densas, possuem mais corpo e complexidade do que as cervejas que utilizam cereais não maltados em grande parte da receita.

E em relação a qualidade?

A qualidade não está relacionada com o tipo da cerveja sendo puro malte ou não, mas sim com a qualidade da matéria prima utilizada e com os processos de produção, fermentação, envase, transporte e também o armazenamento das cervejas. Não é porque uma cerveja é puro malte que ela necessariamente será boa, e assim também, nem por usar cereais não maltados que ela será ruim.

Os belgas, conhecidos pela qualidade de suas cervejas, produzem vários estilos com adjuntos há anos e isso nunca foi um problema. Cada estilo de cerveja tem um propósito e vai agradar mais ou menos pessoas. Enfim, o importante é estarmos dispostos a provar e conhecer mais sobre esse maravilhoso universo cervejeiro, só assim encontraremos os melhores estilos de cervejas que nos agrada.

Gostou no artigo? Então, se inscreva na nossa newsletter e receba mais dicas sobre cervejas, drinks, gastronomia e harmonização.

Posts Relacionados